segunda-feira, 3 de maio de 2010

Desabafo de uma Celíaca (Parte 01)

É, há dois meses eu já sigo minha dietazinha sem glúten, feliz e contente, evitando comer tudo o que é gostoso e ficando longe de tudo que tem farinha por perto. Algumas vezes, acidentalmente, como ou bebo alguma coisa que só vou descobrir que tinha glúten depois, quando começar a passar mal, mas por aí vai a minha saga.

Conviver com a nova dieta não é difícil, não: Apesar de ser tudo caro, hoje dá pra encontrar quase tudo feito com farinhas alternativas, que não de trigo. O mais difícil é se acostumar a deixar de comer tudo o que você sempre comeu a vida inteira.

Tenho tido pesadelos, frequentes, onde estou eu em algum lugar e começo a comer pães, pizzas, salgadinhos, doces, brigadeiros e sorvetes, até que, no próprio sonho, eu lembro que não posso mais comer tudo isso, e me advirto... Hoje me estressei com meu subconsciente e, quando percebi que estava comendo um pão francês, disse ao meu sonho que continuasse comendo, porque era sonho e eu não ia passar mal. Uma droga.

No entanto, o pior ainda dessa doença é fazer todos que estão ao seu redor compreenderem a gravidade da situação. Descobri que doença celíaca não é necessariamente uma alergia ao glúten, pura e simplesmente porque o anticorpo formado não é IgE, mas sim IgA e IgG – e lá se foi por água abaixo a minha explicação mais fácil do que era a tal da doença, porque ninguém se contenta com o “eu não posso comer glúten”.

É duro: Você não pode mais sair pra comer com os amigos. Se for sair junto, tem que ir “comido”, porque se fritarem uma batatinha no mesmo óleo que fritaram um provolone empanado, pronto, celíaco, você está ferrado. Neuroses vão e vêm, chega uma hora que é duro lidar com as pessoas achando que sua “alergia” é frescura ou psicológica, ou que você está se preocupando demais com as fontes de contaminação externa. Juro que eu queria que fosse neurose, porque eu seria uma pessoa um pouco mais feliz.

As pessoas tendem a achar que ser celíaco é momentâneo, porque como você não embola, não edemacia, não sufoca ou morre quando entra em contato com o glúten (como acontece geralmente com os alérgicos a frutos do mar), todo mundo acha que a doença é algo sutil ou passageiro. Só que ninguém pára pra se colocar no meu lugar quando eu digo que tenho dores horríveis, crises de enxaqueca por uma semana, boca amarga e enjôos, falta de ânimo e disposição... Entende? Não parecem sintomas comuns a qualquer outra coisa?

Sei que pareço chata muitas das vezes que viro pras pessoas e digo “então, eu não posso comer em tal lugar”, ou senão pego algum produto e fico caçando o “Não Contém Glúten” na embalagem. Mas entendam, eu não pedi pra ser assim, eu não quis essa doença pra mim, e se tivesse a oportunidade de escolher uma doença, não seria essa!

Essa doença, agora, vai ficar comigo para sempre – não tem cura. Não é um quadro agudo que daqui alguns meses vai passar... É pra vida toda, infelizmente. Por isso, eu peço: Por favor, me respeitem e me compreendam, porque já é duro o suficiente me fazer aceitar tudo isso sozinha.

4 comentários:

  1. Heloísa...compartilho com vc cada palavra =-) é difícil e ngm entende, como vc disse, só pq a gnt não PARA de respirar quando come gluten, as pessoas acham q é frescura...aliás, boa idéia, vamos começar a simular ataques frenéticos!kkkk

    parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  2. Helo ... eu entendo você perfeitamente, já que a culpada sou eu (rsrsrs), segundo você mesma. Mas ... será que você realmente não pediu isso? Lembre-se dos ensinamentos do mundo espiritual ... nada acontece por acaso! Essa doença não está aí com você à toa ... reflita sobre tudo que já aprendeu e você se conformará, mais facilmente. Um grande beijo, de alguém que te ama muito!
    Mamys!!! (rsrs)

    ResponderExcluir
  3. Heloisa, faço de suas palavras as minhas. É exatamente assim. Difícil. Temos que nos virar com essa situação. Temos que ser tolerantes com a nossa intolerância para sempre. Faz 20 dias que descobri a DC, e te digo, até agora não comi nada gostoso sem glúten...aff..rs.. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Heloisa, faço suas as minhas lamentações. Detesto cozinhar, por ai você faz ideia do que sinto. Nem tudo é um mar de rosas, o que me leva pra frente é o fato de minha mãe ter morrido de câncer de intestino sem saber que era Celíaca. Ela poderia ter evitado se época(1995) houvesse exames pra isso.

    ResponderExcluir