quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Não basta escrever, tem que saber!


Não são meia-noite, mas é o tipo de assunto que me faz divagar e perder o sono quando estou inquieta, tentando dormir: O que eu gostaria de fazer antes de morrer?

Não tenho uma “bucket list” e nem pretendo fazer uma, pra não me sentir obrigada a cumprir algo ou ficar frustrada por não conseguir – não acho necessário. No entanto, eu sei o que eu não colocaria na minha lista de desejos ante-mortem, e escrever um livro é uma delas.

Eu amo escrever, adoro ser neurótica com gramática e sinto vergonha de mim quando cometo alguma gafe gramatical, mas meu negócio são textos curtos. Não sinto vontade de fazer uma história minha se estender por mais de duas páginas.

E não acho essencial que escrever um livro esteja entre os planos de vida de qualquer pessoa, como se fosse uma obrigação da vida terrena. Escrever livros é para quem tem dom, e não para qualquer um. Saber prender a atenção de um leitor em uma história é uma tarefa muito mais complicada do que se parece. Criar personagens, físico e psicologicamente não é uma coisa pra qualquer um. Ah! E tem o cenário ainda. Você sabe descrever bem um cenário? Pois é, eu nem sempre consigo fazer isso naturalmente.

Acho um erro dizer que todo mundo na vida precisa ter um filho, rezar, amar, escrever livro, plantar uma árvore... Acho hipocrisia. Tem gente que não tem o dom pra ser pai/mãe; Tem gente que gasta 200 folhas de papel por semana, e uma árvore só não faz diferença nenhuma perto do que ela derrubou desperdiçando sulfite; Tem gente que é ateu – e vai rezar pra quê?

Cada um nasce sendo melhor em uma coisa do que em outra.

Se você não sabe escrever, não escreva.

Se não quer ser pai, não faça filho.

Escrever um livro não faz parte da minha lista de “desejos finais”. Se um dia surgir uma oportunidade, eu me entrego a ela, sem problemas, mas não farei disso uma obrigação, pois a Heloísa de hoje não tem vontade de fazer histórias. Ela tem vontade de ler. E muita.

2 comentários:

  1. Concordo. As pessoas tem que fazer atividades com as quais elas têm afinidade, gosto e talento. Eu também adoro escrever e, por isso, montei o meu blog nesse ano. Esse projeto foi adiado por muito tempo( a faculdade acabava com o meu tempo livre). Mas finalmente tomei a iniciativa e estou muito bem.
    Não tenho uma lista de coisas para fazer antes de morrer. Penso, no momento, em estudar para ter condição de ter uma vida independente. Gostaria de visitar vários países. De escrever mais, de aprender outros idiomas...Enfim, são muitos projetos.

    Beijo ! Boa semana !

    ResponderExcluir
  2. Eu também acho o maior discurso furado dizer que um ser humano só é completo quando tem filho, planta uma árvore e escreve um livro. Mas eu também morro de vontade de escrever um e esse é um dos itens da minha listinha de pendências / planos / metas de vida. Acho que é isso. Todo mundo tem que ter metas, planos, foco. Algo que queira atingir. Do contrário a vida se torna muito vazia. Adorei o post e o blog, no geral.
    Parabéns!

    ResponderExcluir