quarta-feira, 28 de julho de 2010

Reflexão

Já havia horas que eu estava ali, debruçada na janela, observando o tempo passar. Com os braços cruzados no peitoral e o queixo apoiado nas mãos, já vira a lua deixar de ser grande e imponente no horizonte, para se tornar clara e amena no topo do céu; Já vira carros passarem às pressas, provavelmente ansiando por chegar à tão esperada casa; Já vira mulheres segurando as mãos de seus filhos, carregando mochilas, provavelmente ouvindo tudo o que acontecera na escola... Vira o movimento diminuir, as luzes da cidade se acenderem. Ouvira os morcegos com seus gritinhos agudos e curtos, as corujas piando e avisando os desatentos que passar por ali era perigoso.

As horas corridas no relógio, o vento chacoalhando as cortinas da janela. Tudo passara, enquanto eu observava o mundo e me perdia em pensamentos desconexos. Por que deixara tudo acontecer? Por que fora tão covarde? Por que apostara em uma batalha perdida?

As respostas não vieram, só as perguntas. As dúvidas atormentaram minha mente. Eu pude ouvir milhões de vozes me questionando, senti meu instinto enlouquecendo. As respostas nunca iriam vir fáceis assim.

Chega!

Levantei o rosto, respirei fundo. Fechei a janela.

A vida continua e o tempo não para.

sábado, 17 de julho de 2010

Mosaico

Vontade de mudar o rumo…

Vontade de ir contra a maré.

Medo.


Angústia.


Tudo novo, de novo?


Mais do mesmo? Mesmo?


Fim? Começo? Recomeço?

Fecho os olhos e vou. Para a onde as pernas me levarem, eu sigo.

Se houver voltas, que haja;

Se houver perdas, que haja;

Se houver solidão, que seja... Que eu seja eu.



*******************************************************
"Procuro mas não enxergo o alvo
E calo meu silêncio pra ver
Se o mundo ainda existe
E insiste em ser o mesmo"

domingo, 11 de julho de 2010

Jogos de cartas marcadas

Eu sou uma daquelas pessoas que não acredita muito em nada que envolve montantes de dinheiro. Copa, programas de Reality show, olimpíadas, política, fórmula 1... Para mim, nada é confiável e nada presta. Eu generalizo sim, porque sei que o homem é um bicho sujo que vende a própria idoneidade em troca de uma conta gorda e recheada.

Não vejo mais graça em futebol, e na copa, principalmente, desde toda aquela palhaçada em 1998. Ali, para mim, acabou toda credibilidade que eu tinha em eventos esportivos de grande porte. Quando o Brasil teve que enfiar o rabo no meio das pernas e se vender aos patrocinadores para deixar a França ganhar, foi o fim de toda aquela ilusão de que nossos jogadores brasileiros tem raça e vontade de ganhar.

Essa copa de 2010, pra mim, já começou bizarra quando todos apostavam na Espanha, porque tinha ganhado a Eurocopa e blá blá blá, e chega no primeiro jogo, o time me perde pra Suiça. Até aí, tudo bem, porque zebra por zebra, a atual (até hoje) campeã da copa saiu na primeira fase e voltou pra casa pra comer pizza e porpetone, mas a campanha da Espanha na copa foi deplorável. Aliás, a do Brasil também, e merecidamente, nós saímos do mundial nas oitavas de final. Time bom ganha e tem garra, luta pela bola, e Brasil faz tempo que não é assim. A Espanha pode até ter lutado, ter tido garra, vontade, mas o time não era tão bom quanto o da Alemanha, Argentina ou até mesmo a Holanda.

A Alemanha conseguiu meter quatro gols no time do Maradona, que era forte e competitivo, mas não conseguiu marcar um gol sequer contra a Espanha, que era “marromeno”...

Não estava torcendo para a Holanda ganhar, e não acho injusto a Espanha ter ganho, pela primeira vez, o título. Os jogadores se emocionando contagiam, e é bonito de se ver, mas eu não vejo mais graça em torcer por algo que já está escrito. Não acredito mais que quem vence é o melhor, porque hoje sei que vence o que tem mais dinheiro.


quarta-feira, 7 de julho de 2010

Batalha final

- Tá vendo, zero-um? Aqui é um bom lugar pra ficar.
- Verdade, heim, zero-dois? Quentinho e fresquinho, bastante água, comida farta, brisa constante. Fica desse lado aí que eu fico aqui na esquerda.
- Fechou!
- Tá na hora de formar família. E você aí? Vai começar quando a montar o time?
- Agora mesmo, rapaz, licença...

*Ploc*, *Ploc, Ploc*, *Ploc, Ploc, Ploc, Ploc*(8, 16, 32... 2n procriações depois…)

- E aí? A casa tá cheia aqui! Tá pronto pra guerra?
- Que venham os soldados, amigo! Meu exército tá formado!
E chegam os soldados...
- Amigo, eles criaram um exército! Olha o estado disso!
- Mãos à obra, neutrofilada! Muito serviço pra fazer, destruam tudo o que tiver sinal de coccos pela frente!
- Mas, senhor, tudo? Até as casas, até as ruas, tudo o que esses “sem-célula” invadiram???
- Não quero UM resquício sequer dessas bolinhas abusadas, soldado. Bote tudo abaixo!
- Sim, senhor!
Algumas horas depois, e embaixo de muito pus...
- Senhor, tem muitos deles, vamos precisar de reforços!
- Soldados, chamem os faxineiros, vamos precisar de limpeza e de reforços aqui!
- Sim, senhor!

Enquanto isso, no mundo lá fora...

- MANHÊÊÊÊÊÊÊ, tô com dor de garganta!