segunda-feira, 4 de abril de 2011

Decisão


Cansada de tanto esperar que ele a entenderia, pegou sua bolsa e saiu sem rumo. O choro não se refletia em lágrimas, mas dilacerava o coração. Por dentro, ela estava aos berros, gritando em pensamento, como se suas angústias pudessem se materializar com a força das palavras.

Refletiu sobre tudo até então: Lembrou-se de como sempre quis ser tratada, mas como nunca foi. Dos favores que precisava pedir, mas deveriam ser ações espontâneas vindas dele, da falta de atenção, dos poucos presentes... De como tudo havia se transformado em uma mesmice sem fim. O sexo não compensava mais o sofrimento, os beijos mais esfriavam do que aqueciam. As palavras eram ditas da boca para fora.

Foi quando decidiu que ficar só a pouparia de esperar demais e receber de menos. E foi quando percebeu que a vida a dois não era e nem seria boa, porque ninguém nunca a faria feliz do jeito que ela gostaria de ser.

Homens compreensivos e atenciosos não existem fora da TV. E ela se cansara, simplesmente, de achar que sim.



6 comentários:

  1. Se eu comentar algo desse texto não dará certo.

    Portanto me calo com um sorriso de satisfação por poder ser compreendida por esse texto.
    =)

    ResponderExcluir
  2. O duro é deixar tudo subentendido no texto rs

    Que bom que você se achou no texto, Mari. Temos essa decepção da vida em comum rs

    ResponderExcluir
  3. Qualquer semelhança, é mera coincidência!!!!
    Em quem será que você se baseou pra escrever isso?
    Bjssssssssssss!
    Mamis!

    ResponderExcluir
  4. Ah, mamis... Você é mais uma que entra pro time da decepção rs... Não foi só na sua rs

    ResponderExcluir
  5. Ih. Não vai dar certo comentar mesmo. Hahaha! Melhor fazer um chat e morrer de chorar.

    ResponderExcluir