quarta-feira, 27 de abril de 2011

Simplicidade.




Nostalgia. É como eu definiria meu momento hoje.

Hoje acordei me lembrando da minha infância, mais especificamente da minha avozinha, que não está mais aqui... Minhas memórias mais fortes são da casa dela, e me bateu uma saudade daquele tempo que não volta mais.

Saudades de quando eu pegava o giz de riscar roupa dela, e fazia uma amarelinha no chão;

De quando eu passava a tarde na casa dela desenhando nas agendas e papéis para molde, costurando retalhos de tecidos e folheando revistas de moda;

Dos cafés com leite que eu tomava com bolacha de leite;

Das cocadinhas que só ela soube fazer;

Das bolachinhas de nata que eu comia antes de deixar virar bolachinha;

De quando comia caqui, jaboticaba ou pitanga;

Dos banhos longos de bacia, que para mim eram melhores que banhos de banheira;

De quando meu tio dizia que preferia a cadeira de rodas manual, só pra me deixar ficar dirigindo a elétrica e brincando de estacionamento;

De quando meu avô me colocava na carriola e me levava pra passear com o Bidu, ou quando me deixava ajudar/atrapalhar a montar o presépio de natal;

De quando minha avó me levava pra ver os búfalos num terreno perto da casa dela;

De quando íamos fazer compras no armazém do português...

Saudades da casinha simples e da vida simples e sem luxo nenhum que minha avó tinha... E da época em que aprendi que as melhores coisas da vida são as coisas simples: As comidas sem luxo, os lugares sem nome, as roupas sem marca... Tudo simples, como a vida deveria ser.

7 comentários:

  1. Ainda gosto das coisas simples. As melhores coisas ainda são simples.

    ResponderExcluir
  2. Ih, Helo, então é o momento nostalgia, pq meu post dessa semana foi exatamente sobre isso! Hhehe...
    BjOs!!

    ResponderExcluir
  3. A beleza da simpliciade é inigualável. Bjs

    ResponderExcluir
  4. As coisas simples sempre são melhores!!!

    Eu sinto saudades da risada do meu avô materno. E de quando era pequenininha e o meu avô paterno colocava a minha prima e eu em um carrinho de mão e nos levava pra passear... :-))

    Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Quando eu era criança, visitar meus avós era uma festa. Eles moram longe, então geralmente ia toda a família passar o feriado no interior. A gente brincava com os primos na rua, foi ali que eu descobri que brincadeiras de rua foram feitas para serem feitas na rua. Esconde-esconde, pega-pega, pega-bandeira, é tudo mais legal quando você tem a rua toda pra brincar.

    ResponderExcluir
  6. as melhores coisas são mesmo simples. Esse clima nostalgia da um aperto no peito... é aquilo que não volta, né? E que nem nos dávamos conta disso enquanto viviamos...

    ResponderExcluir
  7. Obrigado por compartilhar sua viagem. Gostei muito!

    ResponderExcluir