terça-feira, 5 de julho de 2011

Doença Celíaca: Uma Teoria de vida – ou morte.


Desde que voltei a comer glúten para fazer minha biópsia [o fim está próximo!], tenho tido meus sintomas esporádicos como sempre tivera antes: Um dia tenho mais dor, outro menos, e assim levo a vida. No entanto, comecei a analisar como a minha vida é mais feliz e sociável com o glúten. Embora eu já soubesse disso, esses cinco meses de dieta glúten-ON serviram como uma boa experiência para provar minhas teorias.

Sinto-me até meio “herege” admitindo o que vou dizer, porque levantei e ainda levanto a bandeira da “Causa Celíaca”, achando um desaforo as empresas alimentícias não se preocuparem com a informação “Contém Glúten” ou mesmo com a quantificação da bendita proteína em seus alimentos, mas cheguei a um ponto onde fico na dúvida entre abolir completamente o glúten da dieta, ou somente controlar minha alimentação para que a ingestão seja mínima ou controlada.

Meus sintomas [supostamente] celíacos nunca foram muito gritantes, e eu sinto somente um desconforto chato quando como glúten demais [leia-se, atualmente, todo dia]. Se eu for realmente diagnosticada com a doença, sei que, comendo glúten, meus riscos de desenvolver câncer de intestino aumentam, de desenvolver outra doença auto-imune aumentam e de desenvolver anemia e subnutrição também. Mas também sei que se eu ficar atiçando meu sistema imune em intervalos longos de tempo, ele irá se revoltar, produzir anticorpos, ter um início de reação autoimune e depois vai acalmar.

Eu estou tentada a ter essa vida de provocar o sistema imune com vara curta, e quando ele estressar, esperar ele acalmar pra depois poder estressar de novo.

Minha única dúvida, realmente, se eu devo ou não fazer isso, é relacionada à minha religião. Como sou espírita e tenho um básico conhecimento sobre suicídio, fico me perguntando se essa minha conduta consciente seria considerada um suicídio, caso eu desenvolvesse um câncer decorrente da ingestão do glúten.

Minha dúvida não é “eu vou morrer se comer!”. Eu sei que vou morrer, porque sei que o corpo humano não é eterno, mesmo que o homem tente driblar todas as linhas de envelhecimento celular e estrutural, então o fim não é o que me atormenta. Mas eu não queria pagar mais uma das minhas dívidas aqui na Terra por ter cometido um suicídio a longo prazo.

Minha maior infelicidade, mesmo, vai ser se a biópsia vier alterada, e eu tiver que parar – novamente – de comer glúten por um tempo, até minha mucosa se restabelecer; Vai ser eu ter que ficar explicando tudo de novo o porquê de eu ter parado de novo de comer glúten; O porquê de eu não poder comer glúten, nem um pedacinho; Eu ter que comer em casa quando o povo sair; O povo ficar com dó de mim quando fizer planos pra escolher onde ir comer... – Isso sim me da medo. Me da mais medo que a morte.


16 comentários:

  1. Não acho que tenha a ver com suicídio. Tipo, estavam dizendo que carne vermelha podia causar câncer no sistema digestivo. A gente vai parar de comer carne por isso? Viver causa câncer, pelo visto. Sou a favor de comer pouco, mas comer. Porque são as coisas boas da vida e a única certeza que a gente tem é que vamos todos morrer mesmo. =P

    Adoreeeeeeei o novo background.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Seu comentário é exatamente como eu penso, Má, mas eu ainda deixo meu lado espírita falar mais alto. Não seria suicídio se eu tivesse câncer de intestino por comer glúten, mas nunca soubesse da doença... Seria suicídio pelo fato de eu saber?

    Também acho que viver causa câncer. Prolongar a vida demais como o homem vem fazendo, causa câncer... Então, se eu vou morrer de câncer, que seja de um que eu sei a causa! hahahaha

    O layout é do google mesmo. Lindo, né? =)

    ResponderExcluir
  3. Helo, vou dar minha opinião...
    Vc viu "Nosso Lar"? Se não me engano, o André pergunta em uma parte pq ele ficou no Umbral, se ele não era suicida. Aí respondem que foi pq ele foi se matando aos poucos, com a bebida e as farras.

    Eu espero q vc não seja celíaca, pq eu entendo bem td o q vc fala. A exclusão social, a preocupação eterna com contaminação, essas coisas, é td mt chato... Mas, se vc for, não acho q vc deva transgredir a dieta.

    Quem disse q vc vai morrer de câncer? Vc não sabe... Agora, se vc ingerir glúten sendo celíaca, vc tem mts chances de ter! E outra, vc pode não ter os sintomas terríveis agora, mas, se entrar em uma crise como a minha, vc não vai querer saber de glúten nunca mais na sua vida, e é melhor vc não ter essa crise!

    Bom, de qquer forma, a escolha é de cada um! Cada um sabe o q é melhor pra si.

    BjãO! Boa sorte!

    ResponderExcluir
  4. Extao, Malu. Minha idéia de suicídio se baseia justamente no que eu vi em "Nosso Lar" e aprendi, como espírita... Pode ser que eu não morra de câncer nem se continuar comendo glúten, mas se eu comer e tiver a doença, seria por causa da doença?

    Andei filosofando bastante sobre isso ultimamente.

    Quando à transgredir a dieta, eu não estava pensando em ignorá-la, mas só a me entregar aos prazeres do glúten quando eu estiver com muuuuita vontade de gordices... rs

    Ainda estou filosofando sobre isso, mas eu sou muito rígida à dieta, e se tiver a doença, sei que não vou conseguir fugir da realidade tão bem quanto em um texto =/

    Obrigada pelo comentário!! ^^
    rs

    ResponderExcluir
  5. Texto forte.

    Eu vi essa parte do filme (está nos vinte minutos iniciais, até eu desistir e sair do filme, hehe). Faz sentido, mas ao mesmo tempo o seu caso é bem diferente dele.

    Ao escolher comer glúten, você está fazendo uma escolha que, aparentemente, lhe faz mais feliz. Por mais que, na sua visão, você atente contra seu próprio corpo, ao fazer essa escolha você joga a favor de sua felicidade, de seu espírito. E o que conta depois da morte é o espírito, já que o corpo fica, não?

    Então me parece ok comer glúten.

    ResponderExcluir
  6. Olá, na minha opinião é o mesmo que vc saber que tem efisema e continuar fumando ou que tem qualquer outra doença e continuar fazendo o que te faz mal. Sou celíaca e nunca teria coragem de fazer isto.A gente se acostuma com tudo nesta vida.Abçs,Glaucia.

    ResponderExcluir
  7. Bruno, o grande problema do espiritismo é que não basta você alegrar seu espírito para ser feliz: Você precisa aprender a se controlar para cuidar do seu corpo em cada uma das suas encarnações. Expor, conscientemente, seu corpo a riscos que podem levá-lo à morte é considerado suicídio, mesmo que o motivo seja prazeroso.

    O caso, se for levar a sério, não é muito diferente do de André Luiz. Pode ser mais leve, mas eu ainda acho que se enquadra no quesito "suicídio" a partir do momento que eu soube que comer o glúten poderia me dar câncer. Preciso jogar essa dúvida em um centro espírita hahahahaha

    Glaucia, eu dizia a mesma coisa, mas só me permiti voltar a comer porque não tinha uma biópsia confirmando a doença... E foi por voltar a comer que eu tive esse pensamento.

    ResponderExcluir
  8. Olha, nunca pensei que o sentido de 'suicídio' pudesse ser levado pra esse lado. Talvez, se você considerar que suicídio é uma pessoa se matar por não sem importar com sua vida, você possa dizer que um celíaco comer glúten é ele não se importar com a vida dele? ou suicídio não é exatamente isso?

    O fato de você ter consciência que está fazendo algo que pode encurtar sua vida muda tanto assim? Não assisti ao filme que falaram nos comentários, mas pelo que me pareceu, o personagem não tinha consciência que estava cometendo suicídio a longo prazo, e mesmo assim foi 'punido' por isso.

    Para ser feliz é preciso que você faça sacrifícios e cuide de seu corpo e de seu espírito. Mas existem sacrifícios que te deixam infeliz. Ainda está tudo bem porque no final você vai ser feliz? E se for assim pra sempre? E se pra sempre você tiver que fazer sacrifícios para num próximo estágio da vida você poder ser feliz? Quando que você vai poder sucumbir por alguns momentos ao prazer? E se você nunca puder, quando que você vai ser feliz? Vai mesmo valer a pena ter se sacrificando tanto por tanto tempo?

    Eu não conheço todos os detalhes do espiritismo, talvez eu esteja falando coisas sem sentido, mas foi só pra jogar alguns pensamentos na roda.

    Beijoos!

    ResponderExcluir
  9. O caso do André Luiz, no filme/livro Nosso Lar, Bru, é um suicídio porque ele era alcóolatra e médico rs

    Sim, não deixa de ser considerado suicídio você morrer por colocar seu corpo em risco: Por exemplo, se você pular de Bungee Jump e a corda estourar, você estava ciente de que, por uma fatalidade, isso poderia acontecer, e mesmo assim colocou o corpo em risco - então é considerado suicídio "inconsciente". É diferente daquele que uma pessoa dá um tiro na própria cabeça, mas é suicídio.

    Um fumante que morrer de complicações relacionadas ao fumo é considerado suicida. Um alcóolatra que morrer de cirrose hepática, também. Um celíaco que comer glúten e tiver câncer de intestino provavelmente também será.

    ResponderExcluir
  10. Bom, se for para pensar assim, sou certamente uma suicida. Não concordo. Acho que é só uma preferência pelo prazer. Bebida encurta a vida, mas dá prazer. Comer gordura encurta a vida, mas dá prazer. O fato é que se for para viver sem comer, beber ou fazer o que eu gosto, não vejo para que viver.

    Não falo do caso do glúten, mas de modo geral. Moderar é uma opção. Mas não pretendo deixar de fazer o que me deixa feliz.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Qdo vc é saudável e bebe socialmente, exagera um pouco na churrascaria um dia, não vejo problema, mas no caso de um celíaco, comer glúten conscientemente, é atentar contra a própria vida. Acho que é suicídio!

    ResponderExcluir
  12. Oi helô...
    Do lado de cá chorei...
    Compreendo a sua relação entre o livre arbitrio e o suicídio...
    Mas, vamos esperar... esperar o resultado da biopsia. Esperar a releitura do material por outro patologista. Não se antecipe.
    Apenas uma opinião pessoal: se você for realmente celiaca, se decidir fazer a alimentação, posso lhe garantir esta é uma boa prova. Estar rodeado e comida e não poder dela se alimentar. E não há porque desistir dela. Posso lhe garantir, é um grande aprendizado.

    ResponderExcluir
  13. Heloísa, sei que seu texto é de 2011, mas nesse exato momento vivo o mesmo drama que você naquele ano. Afinal, você descobriu se é ou não celíaca? Espero que não. bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia,
      Eu refiz os exames séricos e nenhum deu postivio... O médico descartou a necessidade de fazer biópsia e eu me considerei não-celíaca... Talvez eu seja, talvez não, mas não tenho tido tantos sintomas mais, e acredito que parte do que senti possa estar relacionado à ingestão de leite mesmo rs.

      Espero que você também seja diagnosticada não-celíaca, mas caso você realmente tenha a doença, hoje em dia está mais fácil fugir do glúten... Tem muitas receitas pra substituir os produtos usuais =)

      Excluir