terça-feira, 8 de outubro de 2013

Ninguém nunca ouviu falar, mas agora todo mundo é fã!

Há tempos tenho filosofado sobre o que escrever pra tirar esse blog do limbo, e uma frebre que tomou conta dos hipsterzinhos de plantão começou a me incomodar nos últimos tempos: A onda do "Ninguém nunca ouviu falar de fulano, mas agora todo mundo é fã!".

Pois bem. 

Eu não sei o porquê, mas nos últimos anos - talvez na última década - o ser humano ficou com uma febre doentia de "exclusividades"... Ou um gosta de uma banda dos confúndios da Alemanha, porque ninguém nunca ouviu falar dessa banda, mas ela é muito boa, e "eu ouço uma música diferente, que ninguém ouve", ou é alguém que acompanha um trabalho de longos anos de carreira de algum artista que, hoje, não é tão mais conhecido, e "nossa, o cara é muito foda, como vocês sobreviveram todo esse tempo sem ouvir a música dele?". Ou o fulano é maníaco por séries, cava os fundos do IMDB buscando histórias novas, e se revolta quando o seriado se populariza: "até ontem ninguém sabia o que era Breaking Bad. Hoje todo mundo é fã!".

Eu nunca vi problemas em descobrir alguma boa arte tardiamente. Na verdade, antes descobrir tarde do que morrer sem saber que aquilo existia, não é?

Não importa se você nunca ouviu uma música de Bruce Springsteen na vida (malemá sabe cantar Born in the USA), mas viu o show do cara no Rock in Rio, gostou, baixou a discografia do homem e está curtindo como se as músicas tivessem sido gravadas ontem.

Legal!!

Você descobriu um novo gosto. E um BOM gosto (o que é difícil hoje em dia, convenhamos). Aproveite mesmo! Tuíte que você gosta do cara, compartilhe músicas, escreva textos. Não é porque o cara tem carreira há 50 anos e você só o descobriu agora, que você tem menos mérito de ser fã do que alguém que o ouve há 20 anos.

E que problema tem em você ter começado a assistir uma série que vai acabar/acabou e comentar freneticamente sobre ela com todos que você vê ou em tudo o que você faz? Só porque você não ficou angustiando entre as pausas de uma temporada e outra, você não tem o direito de dizer que gosta daquilo, não pode comentar, não pode querer se sentir fã da série, do personagem e dos jargões antes que tudo acabe?

Eu sinceramente não entendo essa recriminação de alguns com aqueles que não acompanham algum artista, algum seriado, alguma coleção de livros ou uma série de filmes desde a primeira publicação.

Só porque você acompanha, não significa que você tem mais méritos pra fazer comentários, que sua opinião desvalida a opinião do recém-fã, ou que o seu fanatismo é melhor porque você sabe tudo porque acumulou conhecimento ao longo de anos, e não de dias, semanas ou meses.

Em vez de criticar, fique feliz! Fique feliz que alguém descobriu uma arte boa para adicionar à sua vida. Fique feliz que mais alguém tem um gosto parecido com o seu (seja bom ou não).

Não seja egoísta, não queira ser exclusivo. Não se ache no direito de ser único em um mundo com 7 bilhões de habitantes.

Você não é. E nunca vai ser.

Deal with it.

Um comentário:

  1. Para mim, o problema está em ser fã "demais". A pessoa nunca tinha ouvido falar do bicho e agora vira fã número 1, fã para sempre, contra tudo e todos. Para mim, parece falso, exagerado, como uma necessidade de ser cool e ter que divulgar isso para o mundo. Descobrir uma coisa nova e gostar dela não significa ter que ser tiete. Tenho abuso de tietes e entendo quem se irrita em ver um tiete superfã novato de uma banda/série que a pessoa gosta há anos.

    ResponderExcluir