sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Minha vida é um musical

 
 
Há algum tempinho li uma crítica que a cantora Miley Cyrus fez em relação aos musicais. Não sei se todas as palavras ali transcritas eram literalmente o que ela dissera ou não, porque vocês sabem como é: Mídia SEMPRE distorce as coisas. De qualquer forma, li a declaração em dois locais diferentes, o que me fez acreditar que havia um pingo de verdade no que a menina dissera.

A ex-personagem Hanna Montana (um seriado musical, veja a ironia) declarou que não gostava de musicais porque eles não retratavam a vida real, já que ninguém saía cantando pelas ruas ou para alguém quando estava triste ou feliz. Fiquei desapontada. Como uma CANTORA pode sequer dizer isso?!

Eu, simplesmente uma eterna apaixonada por música, não saio cantando para qualquer um, mas se eu pudesse escrever a minha vida em música, eu escreveria. Se você pudesse ler minha mente, ouviria, de hora em hora, alguma música diferente. Cada momento que vivo, penso em músicas que poderiam traduzi-lo. Pode ser algo tão banal como fazer uma besteira e começar a pensar em “Oops! I did it again...”, quanto um sentimento mais profundo de tristeza em que cantaria para mim mesma “Learn to be lonely”.

Musicais não contam só a vida real. Contam história da maneira mais emocionante e forte que se pode contar: Com música. Se musicais são “besteira” por serem a mais pura mentira, livros são o quê? Musicais são livros traduzidos em música, em notas, em escalas musicais... Em harmonia.

Não existe uma obra mais completa e bela do que um musical. Não existe obra mais bela do que um musical. A emoção de estar na platéia, ouvindo uma orquestra tocar ao vivo notas que estremecem a alma, uma soprano gritar uma nota em uma escala que você sequer pensou que a voz humana seria capaz de  alcançar, um tenor colocando a força dos pulmões no clímax da música... Não há palavras que consigam traduzir a emoção que se espalha pelo corpo.

Eu posso não ser uma soprano que estremece um teatro quando canta em cima de um palco, mas eu sempre estou cantando para mim mesma uma música que aquece o meu coração.

A minha vida é um musical. Ele se chama Heloísa, mas não é um musical de sucesso em teatros. É um musical em que só eu sei as falas, as músicas, os tons e os arranjos.

Sou a soprano da minha própria história. E a minha história é real. O meu musical é real, e vai continuar até o último compasso da minha ópera.

4 comentários:

  1. "Learn how to love life that is lived alone."

    Eu também, eu também. Meu blog já diz tudo. Cada conto, uma música, uma imagem. E a Miley Cyrus só pensa que sabe cantar. Vai ver foi a mãe dela que falou que ela cantava bem.

    ResponderExcluir
  2. jamais você verá alguém que desenvolveu essa mediunidade musical, transcedental, imortal,
    transmitir algo que não seja o dom de elevar o nosso espirito para as alturas, ser a emoção
    mais linda e mais pura, para os céus, para o mundo metafísico, o imaterial,
    que é o que vale, isso porque a musica que para muitos já é uma coisa divina,
    não é simplismente divina , ela é sem duvida, o próprio, o criador de tudo
    musica é a presença integral de Deus.

    ResponderExcluir
  3. Talvez eu não saia por aí cantando quando estou triste ou feliz, mas com certeza música faz parte da minha vida, e há momentos que pedem músicas tristes e outros que pedem músicas alegres.

    Vai ver a moça deu uma opinião baseada na experiência de vida dela (um seriado musical bem superficial, feito para um público que não está muito afim de pensar).

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus, esse foi o texto mais incrivel que eu ja li na minha vida. Voce é fera! parabens! adorei msm..
    e tudo que vc escreveu é mesmo verdade!

    ResponderExcluir