terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Prisão a dois


Não entendo até hoje como as pessoas acham que namoro é prisão. Na verdade, me espanta ver casais se tratando como propriedades um do outro e pedindo permissão pra viver, como se seu namorado(a) fosse seu dono de alguma forma.

Nunca pensei assim em minha vida. Para mim, namoro sempre foi uma amizade plena e profunda, em que a confiança seria digna de não exigir itinerários, ou muito menos de pedir permissão para ter amigos ou respirar algum ar que não contenha o do companheiro misturado.

Talvez seja esse o motivo pelo qual demorei tanto para encontrar uma pessoa que me completasse e pensasse como eu. Acho extremamente egoísta esse desejo de se achar no direito de controlar a vida do namorado. Acho ridículo ficar bravo porque o namorado se divertiu sem sua companhia.

Peraí, eu não dou justificativas de onde vou e com quem vou nem pros meus pais, não peço permissão pra sair nem pros meus pais, e tenho que fazer o oposto com uma pessoa que me ama, e que eu também amo? Não, pra mim as coisas não funcionam assim.

Quando se namora, você aprende os limites da outra pessoa, e aprende a respeitar isso, mas ela também precisa estar ciente que sua vida já existia antes dela aparecer, e você não vai deixá-la de viver como vivia antes porque apareceu um companheiro pra você.

Me tira do sério ver como as pessoas são submissas aos namorados, chegando a um ponto patético de não poder sair porque o namorado vai ficar bravo, ou vice-versa. Fico inconformada, porque as pessoas se machucam, sabem disso, e continuam se martirizando por seres mesquinhos e egoístas que as tratam como escravos que devem seguir as regras impostas por ele.

Acredito que se um dia meu namoro acabar, por algum motivo qualquer, provavelmente eu morrerei solteira. Não consigo encontrar muitas pessoas que entendam que confiar em um namoro não é privar a liberdade do outro, mas sim aceitar que o companheiro tem uma vida paralela e precisa vive-la.

Não peço permissão para sair. Comunico. Se eu quero sair, eu VOU sair, goste meu namorado ou não. Mas também não sou daquelas que troca o namorado pelas amigas... Cada um tem seu dia especial, e se não der pra evitar, vão os dois juntos.

Não suporto que meu namorado me ligue de 15 em 15 minutos para saber onde estou, aonde fui, com quem estou, o que comi e quantas vezes fui ao banheiro. Pra que ele precisa saber que chego em tal lugar tal hora e saio dali tal hora, se a rotina é a mesma todos os dias? Que perseguição. Iria me sentir encurralada, acuada, perseguida se fosse assim. Não!

Ciúme também é outra coisa que não suporto. Se meu namorado fosse ciumento, bem... Ele não seria mais meu namorado. Um homem implicar com você porque você conversa com outros homens é ridículo. Na verdade, para mim atesta culpa no cartório, de tão ilógico. Quem acha que ciúme é prova de amor, sinto muito, mas não é. É egoísmo, é pequenez.

Só me pergunto: Quando as pessoas vão aprender a ter amor próprio para ver que encontrar um companheiro para o resto da vida é, na verdade, se libertar, e não quebrar as asas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário